1.8.08

OS ENCONTROS DE JESUS NO EVANGELHO JOÃO

Pr. Alonso Gonçalves
Igreja Batista Memorial em Iporanga/SP

O evangelho de João reúne três diálogos interessantes: com o fariseu Nicodemos (cap. 3), com a imoral samaritana (cap. 4) e a mulher adultera (cap. 8). Na verdade este modelo de dialogo se transforma em monologo, onde personagens surgem apenas para ajudar a desenvolver um tema peculiar. Por isso a mudança do singular para o plural.

O evangelho joanino não esta preocupado em situar Jesus em certas circunstâncias, como nos Sinóticos, ele quer fazer teologia. Os diálogos são discursos com este fim.

Quem tem um encontro com Jesus, alguma coisa acontece. O autor de João gosta muito de usar o termo krisis para julgamento. A presença de Jesus provoca uma crise existencial e força a uma resposta: sim ou não.

Quem se deixa envolver com Jesus há transformação. Há um novo sentido na vida. Há uma nova compreensão das coisas.

Em um tempo em que os tidos “encontros” com Jesus tem sido, na sua maioria, superficiais, o exemplo desses três personagens tem a nos ensinar algumas coisas.

Nicodemos: não era um homem ruim. Suas qualidades são ressaltadas no texto. Era fariseu, ou seja, conhecia a Lei de Israel; um dos principais dos judeus, provavelmente membro do Sinédrio judaico, posto de honra e poder. O Sinédrio controlava a vida política, econômica e religiosa do povo judeu.

Ele nutre simpatia por Jesus, por isso o encontrar com Jesus. Nicodemos é como aquelas pessoas que freqüentam o templo, gostam da música, ouvem até de bom grado a mensagem, conversa com os irmãos, mas não gostaria de ser reconhecido como mais um. Estes não gostam de ser vistos de dia, apenas de noite. Assim como Nicodemos, não quer se comprometer.

Para ele o Jesus joanino diz: “nascer de novo”. Entra aqui o esquema dualista da teologia joanina: luz/trevas, verdade/mentira, carne/espírito. O espírito infundido por Deus é que dar capacidade para amar e ver as coisas de Deus, ele é livre como o vento. Atua independente da capacidade humana. Não quero aqui entrar nos significados exegéticos da água e do espírito, se é a palavra ou o batismo: o fato é que não basta ter simpatia por Jesus, conhecer a Lei, ser importante, é preciso nascer de novo. É preciso se comprometer com Deus e seu Reino.

A mulher samaritana: é uma dessas pessoas que muitos de nós não gostaríamos de encontrar na rua. São pessoas que estão à margem do ideal moral que muitos de nós, com hipocrisia, nutrimos. Ainda bem que Jesus não se parece nem um pouco com a nossa tendência arrogante de ver as pessoas de baixo pra cima.

O texto diz que os judeus não se davam bem com os samaritanos. Estava ali um judeu, homem, falando em plena luz do dia com uma mulher e ainda samaritana. Para completar o quadro, ela não tinha uma vida muito correta: já havia tido diversos maridos.

Ela vai buscar água por volta da hora sexta, isto é, meio-dia. Um horário nada convencional para apanhar água.

É com gente assim que Jesus trata e a igreja deveria tratar também.

Ele oferece água viva. Uma mudança de vida, uma nova postura frente a realidade da vida. Ela aceita esta água.

A mulher adultera: adultério é pecado, mas para Jesus é pecado também negar o perdão e uma segunda chance para as pessoas. Ele sabe que nós sempre estamos prontos a tacar pedras nas pessoas que julgamos serem diferentes de nós. Apontamos o dedo nas feridas dos outros e julgamos estar acima do bem e do mal, e em diversas situações não reconhecemos o ser humano com suas deficiências que esta do outro lado. Jesus a viu, talvez seja por isso que este texto ficou fora por muito tempo do evangelho de João.

“Olhem para vocês!” Esta é a palavra de Jesus para aqueles que negam o perdão para fazer valer a Lei. Para Jesus o perdão não tem prazo de validade, ele é doado, independentemente de quem o recebe.

Os encontros com Jesus sempre provoca algo. O mais interessante é que a comunidade primitiva compreendia que Jesus não queria se encontrar com os santos e purificados, prepotentes e arrogantes que julgam não necessitar de mais nada. Ele quer se encontrar com um Nicodemos que tem medo de ser visto na sua companhia e não sabe ainda lidar com seus temores e com perguntas sobre a vida que realmente interessa; ele quer se encontrar com aquele/a que leva uma vida desregrada; ele quer se encontrar com aquele/a que necessita de uma segunda chance para continuar a viver e erguer a cabeça e superar os erros cometidos.