4.5.12

QUANDO A IGREJA NÃO VAI BEM

É fato que inúmeras pessoas na comunidade de fé têm suas opiniões de como deveria ser a igreja. O incrível disso é que cada uma olha a igreja pela sua própria perspectiva e raramente consegue enxergar o todo, ou seja, as debilidades e as qualidades da comunidade como um todo. Até aí isso é completamente compreensível. É por isso que ovelha não é pastor e pastor não é ovelha, porque cabe ao pastor ter uma visão holística da igreja.

Mas, vez ou outra, somos – os pastores – alertados por alguns de que a “igreja não vai bem”. Geralmente essas pessoas que se sentem na “obrigação” de dizer que a “igreja não vai bem” são consideradas extremamente espirituais por elas mesmas e de reputação ilibada. O interessante nisso é que a compreensão de que a “igreja não vai bem” é muito relativo, e dependendo de quem crítica ou alerta há diversidade de entendimento.

Vejamos. Para aqueles que gostam de evento a “igreja não vai bem” porque não há movimento na igreja; não há eventos sendo produzidos; não há envolvimento da comunidade em alguma programação importante pela ótica da pessoa que considera que a “igreja não vai bem”. Se for alguém que olha para a igreja pela perspectiva da construção, uma igreja que não tenha uma obra em andamento não vai bem, porque para a maioria das pessoas que pensam em igreja como “canteiro de obras” construções, ampliações e reformas é sinal de que a igreja está “crescendo”. Para outros a “igreja não vai bem” porque algumas coisas não acontecem da maneira que deveria; porque certas atitudes não são tomadas como deveriam ser (lê-se, pelo pastor – óbvio); pessoas não são afastadas quando deveriam ser para mostrar aos outros a rigidez legalista e farisaica de parte da igreja. Ou ainda, a “igreja não vai bem” por conta do pastor que não sabe lidar com a igreja e sua postura é quase irrisória. A lista pode perfeitamente continuar. Dependendo do dono da frase – “a igreja não vai bem” –, ela pode ter outro motivo ainda e geralmente atrelado ao “crescimento” da igreja.

Quando uma igreja não vai bem? Olhamos para Paulo, mais precisamente para a igreja de Tessalônica (1Ts 1,3). Paulo elogia àquela igreja não pelo seu estacionamento amplo, ou seu templo confortável, ou ainda suas entradas, muito menos pela sua rigidez doutrinária, ou pelos eventos e programas, menos ainda pela sua construção. Isso porque na igreja do Segundo Testamento (NT) não há estruturas eclesiásticas, mas pessoas; não são as regras, mas o amor; não são os eventos, mas o estar-junto.

A igreja está bem quando há operosidade da fé, ou seja, quando irmãos que decidem compartilhar Cristo tem uma fé vibrante e frutífera; a igreja está bem quando o amor é abnegado, ou seja, quando há uma demonstração de amor fraternal acima da média, onde pessoas podem se sentir amadas; a igreja está bem quando a esperança em Cristo move a dinâmica da igreja, ou seja, não é evento, programa, construção, sistema doutrinário, mas sim Cristo o alvo da igreja, a razão maior da igreja se reunir e estar em comunhão.

A igreja não vai bem quando pessoas que dizem seguir a Cristo, mas não consegue imprimir em seus relacionamentos nenhuma marca do Mestre; a igreja não vai bem quando há pessoas que se reúnem apenas para cantar como se esse fosse o único e exclusivo propósito; a igreja não vai bem quando há pessoas que preferem às regras e sua dolorida execução ao amor desinteressado e altruísta; a igreja não vai bem quando não se vê pessoas com uma fé madura; a igreja não vai bem quando a única razão de ser de uma igreja – Cristo – é deixado de lado por conta do tradicionalismo e legalismo acentuado durante anos; a igreja não vai bem quando o principal momento da igreja, o culto, a celebração, a adoração, é colocado em segundo plano e até mesmo desconsiderado por qualquer outro motivo.

E aí, a igreja vai bem?

2 comentários:

Claudinei Fernandes disse...

Belo texto. Entendo muito bem suas palavras. Um abraço

Alonso Gonçalves disse...

Só lamento nós (pastores) não conseguirmos ensinar isso para as nossas ovelhas de forma tranquila. Mas ainda bem que já existem aqueles que aprenderam isso.
Valeu pela participação.