25.10.10

ENTRE O RUIM E O PIOR: UMA DIFÍCIL ESCOLHA

Como milhões de pessoas que votaram nela espera: Marina Silva não deu o seu “apoio” a nenhum dos dois, Serra ou Dilma. Não foi nenhuma surpresa.

Observando os rumos dessa campanha vejo que o povo brasileiro perdeu a oportunidade de levar para o segundo turno uma nova opção de governo, de caráter, de ética, de fibra e de projeto. Mais uma vez preferiu ver o mesmo filme que passou em 2006 quando Lula se reelegeu. Estão reclamando que a campanha está com um baixo nível incrível. Bem, quem escolheu este estilo de campanha foi o próprio povo quando decidiu colocar no segundo turno Dilma e Serra. Fazendo isso o povo escolheu ver os mesmos ataques de um contra o outro, essa baixaria em horário nobre na TV em que passa mais os podres de cada um dos candidatos do que propostas relevantes para o país. Votando em Dilma e Serra, o povo escolheu a mesma tônica das outras campanhas, a maldita comparação entre FHC e Lula, como se o país fosse dividido em períodos da história e não tivesse uma única história com contextos diferentes na história global. Foi difícil com FHC e a crise do México; foi difícil controlar a inflação que era exorbitante, herança de um presidente narcisista como o Collor e de um incompetente como o Sarney. Mas foi possível o Plano Real para normalizar o cambio e garantir a produtividade. Assim como qualquer governo no mundo, FHC teve os seus problemas também, assim como Lula que teve/tem seus méritos e deméritos, pois nenhum governo é perfeito.

Parece que as pessoas não sabiam que Dilma e Serra no segundo turno era a garantia de uma campanha baseada na troca de ofensas, na denúncia de corrupção de ambos os lados, na manipulação da mídia e do marketing pesado em cima da imagem dos candidatos, vendendo aquilo que não são para o povo. Não sei por que o espanto! Alguém tinha dúvida disso? Eu não! Ocorre que as pessoas não se aperceberam que aqui não é os Estados Unidos e o PT-PSDB não são replicas dos partidos Republicados e Democratas, embora haja por aqui um que se denomina de DEM, mas deixa isso pra lá. Preferiram dar o seu voto na mesma cúpula que governou o país por dezesseis anos e não tem critérios lógicos para dizer quem fez mais ou menos, pois um dependeu do outro. Sobre a campanha, o Presidente Fernando Henrique Cardoso disse recentemente que nunca viu uma campanha de tom tão individual e sem propósito como essa onde os candidatos disputam o poder e não a vida e o futuro do país. Palavras de FHC que foi suprimido da campanha do tucano José Serra.

Entre o pior e o ruim a opção era a Marina. A mulher tinha todas as qualidades para fazer um governo excepcional. Governou com o Presidente Lula e saiu por não concordar com este projeto de perpetuação no poder que este governo tem. Mesmo não sendo apoiada pela sua igreja, que não fez nenhuma falta também, ela mostrou do que é capaz e não quis associar a sua imagem a nenhum dos que estão aí.

Era isso que as pessoas queriam ver? Uma campanha que envolveu religião além da conta, transformando temas tão delicados como o aborto em algo tão fortuito e descompromissado, além, é claro, do terrorismo feito nas igrejas contra o PT e de “pastores” que se especializaram em virar a casaca como o senhor José Wellington que no seu aniversário recebeu Dilma no púlpito de sua igreja e disse que ela era a solução para o país, a enviada de Deus, e hoje aparece no horário eleitoral do Serra como se nada tivesse acontecido. Outro televisivo que perdeu a muito tempo a credibilidade mais alguns ainda não se deram conta disso é o profeta da prosperidade Silas Malafaia, que nas últimas semanas do primeiro turno soltou uma série de mentiras sobre Marina Silva quando percebeu que ela não iria para o segundo turno, este aparece no programa eleitoral do Serra querendo influenciar os votos dos seus seguidores mais fanáticos.

Agora a batata está nas mãos dos eleitores que decidiram ver o mesmo filme das últimas eleições, PT versus PSDB. A democracia é mesmo uma beleza.

3 comentários:

Anônimo disse...

Jean Carlos

Dizer o quê, depois dessa síntese Pastor?!
Deixamos passar o momento propício para se "fazer algo".
Agora, só nos resta torcer e orar, desejando a quem quer que seja o futuro Presidente - BOA SORTE e que ele esteja com DEUS. E que nossas perspectivas estejam erradas, para o bem do nosso PAÍS.

Anônimo disse...

Bom Pastor, valeu pelo desabafo.Temos agora que fazer uma escolha, pois o tempo, não volta, portanto,temos que decidir pelas práticas do PT e PSDB.Na soma de tudo, penso que o PT foi menos daninho ao pais.

Pr. Alonso Gonçalves disse...

É difícil a escolha. Os dois projetos são muito parecidos. Concordo com você Jean, agora é torcer para que todos nós estejamos errados e que o país seja a prioridade de quem ganhar essas eleições.

Anônimo,
É um desabafo e ao mesmo tempo um sentimento de esperança - que as coisas não fique ainda mais pior.

Valeu pela participação.