6.10.10

DO CHALITA AO TIRIRICA

O teste de inteligência do eleitor

“Foi sensacional (...) coisa de Deus mesmo”.
Tiririca.

Não fiquei nenhum pouco surpreso com a votação maciça no palhaço Tiririca. A imprensa internacional divulgou o seu feito de ter mais de um milhão de votos para a Câmara Federal, de fato um fenômeno. Agora o coitado, que foi usado, precisa comprovar que sabe ler e escrever e ainda desmentir a reportagem da Revista Época que o acusa de ter falsificado o seu registro no TRE-SP, isto é, se não acabar em pizza é claro. Mais uma brecha da legislação brasileira que permite que pessoas apenas alfabetizadas concorram a cargos públicos e logo esses que irão fazer leis e priorizar a educação, isso sim é palhaçada.

Não sou cientista político, mas quero fazer uma reflexão, de cunho bem subjetivo mesmo, sobre a inteligência política de quem votou no Chalita e no Tiririca.

Quem votou no Chalita conhece a sua história. O seu eleitor sabe que a sua formação se deu na PUC-SP (filosofia e comunicação social); sabe que ele foi Secretária da Educação no Governo Alckmin; é um defensor ferrenho da educação, buscando alternativas e apontando caminhos; é católico não por falta de opção religiosa, mas por comprometimento mesmo; sua saída do PSDB se deu por não concordar com políticas públicas que não favorecia a educação e desvalorizava o professor; é escritor na área de filosofia; já foi ouvido em diversos programas de TV; foi o vereador mais votado da cidade de São Paulo; o segundo deputado federal mais votado do Estado de São Paulo, só perdendo para o Tiririca.

Quem votou no Chalita conhece a sua militância e trajetória política. É alguém que gostaria de ter um representante à altura do Estado de São Paulo na Câmara Federal, com ideias esclarecidas e discurso coerente. Os seus eleitores mostraram que é possível sim ter pessoas com dignidade e competência representando o povo. Foi um voto de basta de parlamentares que acham que o dinheiro público é seu também; foi um voto a favor da ética na política; foi um voto de quem entende que os políticos estão lá para defender os interesses da população e não os seus próprios; foi um voto inteligente.

Quem votou no Tiririca o conhece da sua brilhante carreira de comediante e sua poética música – “Florentina, Florentina, Florentina de Jesus, não sei se tu me amas pra que tu me seduz” (nem mesmo sei se é assim). É alguém que também gostaria de mandar um recado: “estamos cansados dessa palhaçada, de dinheiro na cueca, dos aloprados, das ambulâncias superfaturadas; estamos cansados de deputado rindo e roubando dinheiro em câmeras escondidas; estamos cansados de sermos feitos de palhaços”. É uma reivindicação de protesto! Mas colocar mais um palhaço naquele circo, chamado de Câmara dos Deputados, não adianta. O homem não consegue nem mesmo falar; é acusado de ser analfabeto; não apresentou nenhuma proposta no tempo mais que longo de TV, apenas fez piadas com os seus eleitores – “você sabe o que um deputado faz? Não! Nem eu. Vota em mim que eu te conto; vote no Tiririca, pior do que tá não fica” – ficará pior se ele vier assumir o seu mandato. O eleitor do Tiririca não foi inteligente dando mais de um milhão de votos a ele porque não conhece o sistema eleitoral brasileiro, que é irracional, que trabalha com o quociente eleitoral e a proporcionalidade, ou seja, os votos excedentes do palhaço Tiririca foram para outros candidatos do seu partido. Nesse caso, os eleitores do comediante garantiu a eleição de mais três candidatos que nem mesmo sabe quem são. Isso não é ser inteligente.

8 comentários:

Sindy S. Lima disse...

Extremos e opostos... Seria tão bom se a figura do "palhaço político" fosse representada somente na do personagem Tiririca, o que me enoja ainda mais são os que menosprezam nossa inteligência, querendo nos convencer do que não fizeram, resumindo nosso voto a favores e rixas pessoais, menosprezam nosso poder de análise e raciocínio, impressiona me o fato de Gabriel Chalita ter tido apenas 17 votos em nosso município, e outros que tem em seu currículo POLÍTICO um emaranhado de "nadas" uma porcentagem estrondosa. As pessoas ainda não se convenceram de que a política tem um papel crucial em nosso cotidiano, em nossa formação cidadã, enfim em nossas vidas como um todo, votam por obrigação, não por identificação , idealismo. Que as próximas gerações tenham discernimento. AMÉM

Pr. Alonso Gonçalves disse...

Aqui você pode colocar pra fora a sua revolta, rrrsss... concordo com você, acho que o idealismo político é suprimido pelo conchavo e as barganhas e nisso só quem perde é a sociedade que não consegue discernir o nojento conjunto ideológico de candidaturas que envolve, na sua maioria, disputas de poder, cargos de confiança, licitações fraudulentas etc...
É com muito pesar que iremos continuar vendo outros palhaços na política brasileira, o que é pior nisso é que eles não assumem como fez o Tiririca e vestem ternos caros.
Valeu pela participação.

Ezequiel disse...

Pr. Ezequiel
Porque não viram antes que Tiririca não tinha estudo, afinal depois que ele teve essa massa de votos que querem tirar o seu direito que conseguiu através da urna e da vontade do povo. Eu pergunta e os que estão lá há anos que tem mestrado, doutorado mas que só pensam em si, só lembram do povo nesta época. Tem varios criterio para ser candidato, porém acharam que ele não ganharia por ser humorista, cairam do cavalo os que assim pensaram, e em sua propaganda ele não disse mentira na verdade o quadro politico não é este. Um forte abraço!

alcionenuli disse...

Para mim não passou de uma "Manifestação Popular",todos estão cansados de"palhaços'da política e resolveram eleger um em especial, para que seja um "exemplo" a outros ,não generalizando mas que há sim esses tais sim há infelizmente.Não entendo também como puderam os Presidentes dos Partidos colocarem um cidadão que nem se quer sabe ler ou escrever,como fez para assinar seu contrato com o Partido?.
Brincadeira!!Mas depois dessa vamos pensar melhor "hein" na hora de eleger algum candidato,e ter o habito de pesquisar bem os candidatos a quem votar.

Anônimo disse...

talvez se o voto fose facutativo teriamos 1.300.000 que nem iriamos la é um prazer vota no tiririca, quantos intelectuas estao na camara e aparecem na tv botando dinheiro na cueca, juiz superfaturando, obras publica, chefe de polícia condenado a 29 anos de cadeia e quantos chegaram ao poder pela força ganhando voto nas comunidade carentes com falças promessa de segurança se candidatando a vereador e depois a deputado estadual não quero nem citar os nomes quantos inocentes morreram por se negar a vota neles, e voces sabem a camara esta cheia de bandidos de terno e gravata. Pelomenos tenho serteza de que tiririca não matou e nem roubou, mas quem sabe ele por ser analfabeto lute pela educação no nosso pais,a anos venho escutando essa conversa mole de deputados no meu governo eu prometo educação,saúde e segurança. cade a educação? falida saude,falida. Eu vejo cada ano que passa os deputado botando seus filhos no poder, e os nossos filhos estao sendo preparado para ser empregado dos filhos deles. Se ha uma democracia deixa que o povo escolha seus representantes caso contrario escolhão voces mesmo!
Eu sonho em um dia ver meus filhos na facudade mais vejo cada vez mais esse sonho distante,mas sou honesto e encino isso a ele estudei até o 3 ano do segundo grau observem minha grafia que horror tenho vergonha é disso mas obrigado pela oportunidade.Chico

Pr. Alonso Gonçalves disse...

Olá Chico.
Obrigado pela sua participação.
Concordo com você, é preciso ter de fato democracia em todos os sentidos, não apenas na hora do voto, mas nas oportunidades iguais para todos, isso também é democracia.

Noemi Tavares disse...

COMENTAR O QUÊ?
Depois de tudo o que vimos nessa última eleição, só nos resta agradecer à Deus porque ainda resta uma esperança...Basta olhar para a quase virada da Marina.Pr.nem tudo está perdido!!!

Hevellyn disse...

Quando discuti com algumas pessoas sobre a votação extraordinaria do Tiririca a maioria das respostas er de que esta votação representava a revolta do povo brasileiro e de que estes eram votos de protesto, mas me pergunto,que tipo de protesto é este em que nós como sociedade somos prejudicados, chego a pensar que a eleição não é mais um momento de decidir ou de pelo menos tentar melhorar o futuro, mas sim um momento de palhaçada onde muitos tratam cidadania com completo descaso, ou como disse nossa colega, obrigação, mas quem sai perdendo com esta historia mesmo????????

Hevellyn