8.3.10

A MULTIPLICAÇÃO DE IGREJAS EM IPORANGA

Em cidades como São Paulo a proliferação de igrejas é incrível. A todo o momento esta surgindo outra “igreja” com um nome bizarro, o mais criativo possível. Num bairro onde tenho parentes, há alguns anos atrás havia pouquíssimas igrejas, hoje em uma mesma rua há nove, isso mesmo nove, todas se dizendo pentecostal.

Parece que este surto esta acontecendo aqui na nossa cidade. Está surgindo igrejas de todo o tipo: do tipo divisão de uma e depois divisão de novo. Só há este dois tipos de igrejas aqui, a Primeira Igreja Divisionista e a Segunda Igreja Divisionista, ambas reivindicando o poder do Espírito Santo. Até agora não vi nenhuma igreja que tenha começado com um trabalho missionário coerente com o Evangelho, um trabalho de evangelismo mesmo de pessoas que não conhecem uma igreja, mas apenas igrejinhas surgindo em cima de igrejinhas. Pergunto em que essas novas igrejas estão contribuindo para o Evangelho na cidade? Como as pessoas irão entrar em uma dessas igrejas em que os que estão lá dentro não se dão bem e por questão de vaidade, poder ou qualquer outra coisa saem abrindo outras igrejinhas à imagem e semelhança de seus líderes? Parece que a quantidade de novas igrejas na cidade não esta abençoando em nada as pessoas, pelo contrário, as pessoas estão fazendo chacota, e o Evangelho está perdendo a credibilidade com isso. Ainda bem que neste miolo as pessoas sabem identificar quem é quem, e os batistas continuam sendo identificados como BATISTAS, como protestantes.

Historicamente a igreja que mais se divide é a Assembleia de Deus. É só olhar ao redor para ver a quantidade de assembleias de Deus que há por aí. Aqui mesmo na cidade temos duas igrejas de divisão histórica, a Assembleia de Deus Ministério do Belém (uma divisão da Primeira Igreja Batista em Belém, Pará) e a Assembleia de Deus Ministério Madureira, uma divisão que ocorreu no bairro Madureira no Rio de Janeiro. Uma do lado da outra. Recentemente chegou à cidade mais uma Assembleia de Deus, Ministério Vale do Ribeira, uma divisão da Assembleia de Deus Ministério Santos, que bagunça, dá até para confundir a cabeça. O detalhe é que essas igrejas têm o mesmo discurso: a posse do Espírito Santo. Alguns se acham donos do Espírito Santo e por isso criticam e até mesmo não conversam com cristãos batistas porque acham que os batistas não têm o Espírito Santo, e quem decidi quebrar esta regra por lá é taxado de frio, de crente geladeira, de amigo dos batistas.

Por não ter um aprofundamento bíblico sobre o Espírito Santo, nossos irmãos pentecostais acham que pular, gritar e falar a tal “língua dos anjos” é estar com o Espírito Santo. Ocorre que a Bíblia ensina que o Espírito Santo promove a paz; ensina que o seu fruto é amor, longanimidade; ensina que é ele quem proporciona a unidade da Igreja; é ele quem capacita com os dons espirituais para a edificação da Igreja e não para vaidade pessoal; a Bíblia ensina que o Espírito Santo não é de confusão, mas de harmonia; o Espírito Santo é o responsável por nos apontar para Cristo, portanto o centro do culto não deve ser necessariamente o Espírito Santo, mas Cristo.

Hoje na cidade de Iporanga ninguém pode alegar que nunca ouviu falar de Jesus Cristo. Já ouviram e agora estão vendo a bagunça religiosa que se formou aqui. O testemunho é pessoal, é de vida, é de caráter, é de identidade mesmo. Só conseguiremos falar para alguém sobre Cristo quando elas virem em nós o caráter de Cristo.

13 comentários:

JOSE disse...

Bom tema para reflexão, com certeza haverá muitas divergencias de opiniões.O importante é termos a certeza que estamos no caminho certo, promovendo o amor, a esperança e a caridade.

Noemi disse...

Pois é Pr. Como é com saber que temos uma identidade, somos conhecidos por ela e acima de tudo respeitados por ela, mesmo em meio à essa confusão. Que o único Deus, razão de existirmos e nos movermos continue nos fazendo adorá-lo e e em meio à esse caos, olhar somente para Ele, autor e consumador da nossa fé.

Pr. Alonso Gonçalves disse...

Obrigado por contribuir. A opinião de vocês é sempre válida.

José,
Este tema não tem divergências, há divergências entre os pentecostais que não conseguem entender que o Espírito Santo é agente de unidade, não de divisão.

Noemi,
Fiquei contente em ver seu comentário. Concordo com você de que hoje somos identificados pelas nossas características e postura correta diante do Evangelho.

Obrigado!

angelo.r.vieira disse...

Graça e Paz Pr. Alonso.
Muito bom comentário, pois na revista Cristianismo Hoje edição 15 tem uma exelente matéria na pg. 14 com o seguinte título "UM NOME, muitas definições" por Alves Filho e Laelie Gonçalves, e tem uma frase que me chamou a atenção "crescimento exponencial da igreja faz com que o termo "evangélico" seja cada vez mais indefinido, pois vale a pena ler essa matéria.
Angelo

Pr. Alonso Gonçalves disse...

Muito obrigado pela participação Angelo. Acredito qque hoje o termo "evangélico" esta cada vez mais na lama. Prova disso foi a apreensão da Polícia Rodoviária Federal de fuzis com supostos "pastores evangélicos".

Anônimo disse...

Prezado Colega

Divisões acontecem em todas as igrejas, principalmente por divergências de opiniões. É muito oportuna sua colocação quanto a divisão da Igrejas Pentecostais, mas lhe afirmo que numa menor proporção isso também acontece em nossa denominação e na minha opinião devemos tirar primeiro a trave que esta em nossos olhos para depois retirar o cisco dos olhos de nossos irmãos.
Ps. Um dia estaremos diante de "Tribunal de Cristo" e cada um irá receber seu galardão.....
Abraços

Pr. Alonso Gonçalves disse...

Anônimo,
Não estou falando de outras denominações em outras cidades, estou falando, especificamente, do que esta acontecendo na cidade de Iporanga. Diante deste fato o que há são divisões em cima de divisões e isso numa cidade pequena já é grande coisa.

Quanto a divisão em nossa denominação não vejo nenhum problema, uma vez que como Batistas não somos nem mesmo obrigados a se filiar na Convenção Batista Brasileira.

Grato pela participação.

Anônimo disse...

Quanto a filiação a Convenção Batista Brasileira creio que todos os batista deveriam se filiar para fortalecer nossa denominação. Quando precisamos de alguma coisa a quem recorremos? Não será a Convenção ou as Associações a ela arroladas.

Manoel do Carmo disse...

Olá meu Pr.
Apesar de presenciar esse fato em nossos dias, não apenas em Iporanga, creio não ser esse um episódio preocupante em nosso meio. Eu em particular creio na força do TESTEMUNHO pessoal, essas e outra veem ocorrendo por conta da falta de maturidade cristã de alguns inclusive no meio batista. o que me deixa em paz é o fato de que; cada um, dará conta de se mesmo, diante de nosso Deus. No mais, sou um Batista por convicção,sujeito aos intemperes da vida, que pela misericordia de Deus tenho vencido-as.

Anônimo disse...

O que o Pastor faz em relação a Iporana? Já o critiquei em textos anteriores. Iporanga é a uma das cidades mais misticas do estado de São Paulo.O Pastor já ouviu falar do morro das das três cabeças, das seitas exotéricas e bruxarias que ocorrem nas caminhadas e trilhas iporanguenses. Já expulsou demônios? Apenas fala e escreve mas não evangeliza, se entrar no site da cidade de Iporanga e observar as fotos da festa da padroeira, no rio ribeira, já se vê que ali está cheio de crentes batista. Trabalhe mais e critique menos. Quando se fala em identidade, pergunto-lhe: Por que os púlpitos batistas estão cheio de maçonicos?

Pr. Alonso Gonçalves disse...

Carissímo Anônimo,

Como você é reducionista. O texto mostra a dificuldade do Evangelho na cidade e como os pentecostais estão sendo vistos com suas divisões que nao revelam o espírito cristão, apenas acentuar a posse do poder nestas igrejas.

Quanto a cidade de Iporanga, não há necessidade de evangelização do modo como você coloca, a cidade é pequena possui diversas igrejas, entra aí a Igreja Católica também.

Se for olhar o que você chama de idolatria, Aparecida não há nenhum pastor que trabelhe na cidade; o Cirio de Nazará, Belém/PA, não há nenhum pastor que trabalha por lá também.

Sobre trabalho, isso só interessa a comunidade a qual sou pastor.

Agradeço as suas colocações, mas o Cristianismo também é feito por gente que pensa, assim como você.

Anônimo disse...

NOSSA! JA FUI EM ALGUMAS IGREJAS DESSAS NOVAS QUE ESTAO SURGINDO. ELES QUASE QUE EXIGEM DINHEIRO EM TODO CULTO.CHEGA A SER APELATIVO.
- MAS LEMBREM -SE QUE TODA RELIGIAO FALA DE AMOR E DE UMA MANEIRA DE BUSCAR O EQUILIBRIO E A FÉ.

Dionathan disse...

Ola pastor, só queria dizer que eu honestamente não me incomodo em ver mais um templo que servirá para louvar ao SENHOR a ser abertO na cidade, e tenho certeza que ninguem faz um comentario como esse e com toda essa dimenssão a respeito de um novo buteco ou de um novo tipo de droga chegando na cidade.Independente da placa que seja levantada o importante é que pregue o evangelho, e se um ou outra apelar pelos dizimos ou ofertas, e esses valores não chegaren de alguma forma a obra do SENHOR, eles vão ter que se intender com o SENHOR.E se fosse para pensar assim ninguem entraria em nehuma igreja porque todas apelam em muito.